Seguro de vida te assusta?

A pergunta não é boba, muitas pessoas não gostam nem de ouvir falar, pelo simples fato de achar que se fizer um seguro algo irá acontecer… Superstição, misticismo puro.

Quando fazemos um investimento que consideramos alto, como a aquisição de uma casa ou um carro, normalmente contratou também um seguro para garantir a proteção desses bens. Fazemos isso porque queremos ter a certeza de que esses bens, tão valiosos, não correrão riscos ou poderão ser substituídos com mais facilidade caso ocorra um imprevisto. Mas isso nos fez pensar… Se nos preocupamos tanto com as nossas coisas, por que nem sempre damos o mesmo valor para a nossa vida?

É aí que entra o seguro de vida.

O Seguro de vida é o primeiro seguro que toda pessoa deveria pensar em adquirir. E por isto vou pontuar vários motivos para esta minha afirmativa.

Vamos começar pela cobertura básica, morte qualquer causa. Esta cobertura indeniza seus familiares com o capital contratado em caso de sua ausência. É a cobertura obrigatória do seguro de vida.

Quem ama protege, o seguro de vida é para deixar para suas famílias o mínimo de conforto enquanto passam pelo luto, imaginem o desgaste emocional e ainda vindo com problemas financeiros?

Imaginem pais que são o sustento de uma família com filhos pequenos?

Algumas pessoas dizem: mas eu já tenho um bom patrimônio, para que fazer um seguro de vida? Porque o seguro de vida não tem incidência de impostos, para aqueles que já têm patrimônio o seguro se torna importante porque pode ser usado para fazer inventário que não é nada barato e enquanto não é feito, todos os bens da pessoa não pode ser tocado.

O seguro de vida é um contrato que você faz com uma seguradora para garantir proteção financeira para seus familiares e/ou pessoas que dependem de você, no caso de sua falta. É um seguro que também pode beneficiá-lo diretamente, no caso de invalidez permanente ou de uma doença grave, ou até mesmo em caso de afastamento temporário, por exemplo.

Vamos ver os benefícios de algumas coberturas adicionais e como funcionam?

Morte

Garante o pagamento de uma indenização aos beneficiários na morte do segurado por causa natural ou acidental, exceto se for decorrente dos riscos excluídos definidos nas condições gerais da apólice.

Morte acidental (MA) também chamada de IEA (indenização especial por acidente)

Garante o pagamento de uma indenização ao(s) beneficiário(s), no caso de falecimento do segurado, devido a acidente coberto, exceto se for decorrente dos riscos excluídos definidos nas condições gerais da apólice.

Invalidez permanente total ou parcial por acidente (IPA)

O segurado recebe indenização em função da perda, redução ou incapacidade funcional definitiva, total ou parcial, de um membro ou órgão por lesão física, causada por acidente pessoal coberto, observados os riscos excluídos. Quando o segurado recebe alta, depois de ter terminado o tratamento, de terem sido esgotados os recursos terapêuticos disponíveis para a sua recuperação e da constatação de invalidez permanente, a seguradora deve pagar a indenização de acordo com os percentuais estabelecidos nas condições gerais e/ou especiais do seguro. Se a invalidez por acidente for parcial, ou seja, quando ainda restar alguma função da parte do corpo ou do órgão lesado no acidente, a indenização por perda parcial é calculada por um percentual preestabelecido no plano de seguro. São percentuais determinados em uma tabela para cálculo de indenização, com variações de acordo com o grau de redução das funções do segurado.

Invalidez permanente total por acidente (IPTA)

Garante o pagamento de indenização no caso de invalidez permanente e total do segurado, causada por acidente pessoal coberto. A diferença entre esta cobertura e a anterior é que, neste caso, só ocorre indenização se a invalidez for total.

Invalidez laborativa permanente total por doença (ILPD)

Garante o pagamento de indenização a partir da constatação de invalidez laborativa permanente total, causada por doença. Esse tipo de invalidez, que leva à “perda da existência independente”, é definido para efeito do seguro como aquela para a qual não se pode esperar recuperação ou reabilitação com os recursos terapêuticos disponíveis no momento de sua constatação. O segurado é reconhecidamente incapaz de exercer sua atividade profissional principal. A principal atividade de trabalho é a que representa a maior renda do segurado durante determinado exercício anual definido no contrato. Segurados portadores doenças em fase terminal, comprovada por médicos habilitados legalmente, são considerados total e permanentemente inválidos. Depois de a seguradora ter reconhecido a invalidez laborativa, a indenização deve ser paga de uma só vez ou sob a forma de renda certa, temporária ou vitalícia, em prestações mensais, iguais e sucessivas, conforme acordado entre a seguradora e o segurado. Este tipo de cobertura não está disponível para pessoas que não exercem alguma atividade remunerada.

Invalidez funcional permanente total por doença (IFPD) 

Garante o pagamento de indenização ao segurado em caso de sua invalidez funcional permanente total, em consequência de doença que cause a perda da existência independente do segurado. A perda da existência independente é considerada na regulamentação como ocorrência de quadro clínico de incapacidade que inviabiliza, de forma irreversível, que o segurado exerça as atividades básicas com plenitude e autonomia. As condições gerais e/ou especiais do contrato do seguro definem como deverá ser comprovado esse quadro de invalidez funcional permanente total por doença. Os segurados portadores de doença em fase terminal, atestada por médico, também são considerados total e permanentemente inválidos para efeito dessa cobertura. Após ser constatada a invalidez funcional, a indenização deve ser paga de uma só vez ou sob a forma de renda conforme constar no contrato de seguro.

Diárias por incapacidade temporária (DIT) 

A incapacidade é caracterizada pela impossibilidade contínua e ininterrupta de o segurado exercer a sua profissão ou ocupação, durante o período em que se encontrar sob tratamento médico. A cobertura de diárias por incapacidade tem início a partir do primeiro dia depois do período de franquia do seguro. As condições gerais e especiais do contrato determinam o limite máximo de diárias, por evento. O período de franquia deverá ser de, no máximo, quinze dias, a contar da data do evento. Então paga-se ao segurado em caso de afastamento temporário, uma diária, assim especialmente para os profissionais liberais não terão perda de renda no período. E aos que não são profissionais liberais terão um complemento a renda, pois o INSS tem tetos de pagamento do beneficio.

Despesas Médico-Hospitalares e Odontológicas (DMHO) 

Garante o reembolso, limitado ao capital segurado, das despesas médicas, hospitalares e odontológicas que o segurado tiver com o seu tratamento sob orientação médica. O segurado pode escolher livremente os prestadores de serviço. Todos os gastos precisam ser comprovados com nota fiscal, conforme os termos estabelecidos nas condições contratuais. É importante lembrar que o tratamento deve ser iniciado nos 30 primeiros dias contados a partir da data do acidente pessoal coberto pelo seguro. Despesas durante o período de convalescença, depois da alta médica; gastos com acompanhantes; prórteses de qualquer natureza; e próteses permanentes não contam com essa cobertura. A única prótese que tem cobertura do seguro é para a perda de dentes naturais.

Diária por internação hospitalar (DIH) 

Garante o pagamento de indenização proporcional ao período de internação do segurado. Essa cobertura tem franquia limitada a, no máximo, 15 dias a contar da data inicial da internação. Na apólice ou contrato do seguro, o valor da indenização (capital segurado) deverá ser definido sob a forma de diária, não podendo ser relacionado com as despesas que o segurado tiver.

Doenças graves (DG) 

Garante o pagamento de indenização no caso de serem diagnosticadas as doenças que foram especificadas e caracterizadas nas condições gerais e/ou especiais do contrato do seguro. Esta cobertura também pode ser comercializada com outros nomes, como por exemplo, “Diagnóstico de câncer”. É comum este tipo de cobertura ser segmentado por sexo. Por exemplo, no caso de segurado do sexo masculino, cobre o risco de diagnóstico de câncer de próstata. No caso de sexo feminino, de câncer de mama. Está é uma cobertura extremamente importante, a partir do diagnostico e franquia cumprida, você recebe o capital segurado para auxiliar no tratamento da doença, este valor pode ser usado como o segurado quiser, não precisa comprovantes de nada.

Também podem contar com a assistência funeral no seguro de vida, que pode ser individual ou familiar e que os valores das mesmas variam de seguradora para seguradora.

Então sim, acima vários motivos para fazer um seguro de vida, pois existem coberturas excelentes em que você pode precisar usar durante sua vida e na sua ausência sua família estará aparada.

Quer saber um pouco mais? Tirar suas dúvidas ao contratar um seguro? Podem enviar todas as mensagens aqui, que será um enorme prazer respondê-lo.

Deixe um comentário